As grandes ideias nem sempre nascem em ambientes que tenham recursos suficientes para que se desenvolvam e se tornem negócios de sucesso, afinal, para iniciar um novo empreendimento ou expandi-lo existe um valor de investimento do qual nem sempre os empreendedores dispõem.

E é por isso que muitas empresas, principalmente startups, têm tanto interesse em atrair um investidor-anjo, uma pessoa que possa fazer um aporte financeiro que ajude a alavancar o negócio e potencializar as vendas.

Se você também gostaria de ter esse tipo de auxílio, confira tudo o que precisa saber sobre investimento-anjo.

O que é investimento-anjo

Investimento-anjo é uma aplicação financeira feita com o objetivo de gerar crescimento econômico em um ambiente, normalmente uma empresa. Com este financiamento, o negócio pode investir em tecnologia, estrutura, profissionais e outros aspectos que vão colaborar no desenvolvimento organizacional.

Quem são os investidores-anjo

Um investidor-anjo costuma ser um empresário ou outro profissional do mundo dos negócios que tem interesse em fomentar o empreendedorismo. Essas pessoas, geralmente, têm know-how em algum tipo de mercado e capital próprio para investir, então buscam negócios promissores que podem se tornar um sucesso.

Os investidores-anjo normalmente participam dos futuros lucros das empresas ou passam a ter uma participação societária no negócio. Por conta disso, os investidores-anjo que se especializam em apostar em empresas que prosperam podem ter um retorno bastante significativo em múltiplos empreendimentos.

Quais são os prós e contras de ter um investidor-anjo no meu negócio?

A princípio, ter alguém financiando a sua ideia para que ela se torne realidade parece ser algo extremamente positivo, e realmente pode ser, desde que a relação e as expectativas do empreendedor e do investidor-anjo estejam muito bem alinhadas e sejam correspondidas.

Ter um investidor-anjo do seu lado significa que você tem mais uma pessoa que está contando com os resultados que o seu negócio deve gerar, e isso implica muita responsabilidade e dedicação de todos os envolvidos.

Além disso, dependendo do que for firmado entre as duas partes, o investidor poderá participar ativamente das decisões do negócio e, inclusive, com o dinheiro que foi aplicado, e o empreendedor precisa aprender a lidar com essa situação.

Também vale a pena mencionar que um investimento-anjo não costuma ser a solução de todos os problemas de um empreendimento, e mesmo depois que o aporte é feito, ainda será preciso trabalhar muito e pensar de forma muito estratégica para que a empresa não desande e o prejuízo seja ainda maior.

Como conseguir um investidor-anjo para a minha empresa?

Atualmente, existem várias organizações que ligam um investidor-anjo com empreendedores que gostariam de ter suas ideias de negócio financiadas, mas essa facilidade também aumenta a concorrência.

Por isso, quem deseja contar com o apoio de um investidor-anjo precisa estar muito bem preparado.

De forma geral, podemos dizer que os empreendedores que têm as melhores chances são aqueles que começam com uma boa apresentação de si mesmos e de seus negócios. Neste momento, não basta só contar sobre a história do empreendimento e sobre os produtos e serviços que tem a oferecer, mas mostrar como eles podem resolver problemas do consumidor e por que eles têm um excelente potencial de sucesso.

Ainda, é preciso demonstrar amplo conhecimento sobre o mercado, o público e a concorrência (e é por conta disso que o Plano de Negócios ou Bussiness Plan é uma ferramenta bastante útil) e  convencer o investidor de que o negócio pode realmente dar um retorno significativo para ele, já que é isso que um investidor-anjo está buscando.

Quais os cuidados jurídicos para receber investimento?

Como qualquer outro processo significativo que envolva o seu negócio, é fundamental ter um acompanhamento jurídico na hora de formalizar o investimento-anjo, para que haja proteção dos dois lados do acordo.

O investidor-anjo precisa assegurar que o dinheiro será realmente investido em pontos específicos do negócio e que ele terá o retorno combinado de acordo com a prospecção de sucesso da empresa. Enquanto isso, o empreendedor também deve se resguardar juridicamente, garantindo que o investidor só vai reclamar aquilo que lhe foi concedido no negócio e que ele transmitirá seu know-how e experiências, se isso tiver sido acordado.

Se você tem a intenção de receber aporte de um investidor-anjo, conte com o apoio dos advogados da Assis e Mendes, que conta com profissionais especializados em Direito Empresarial e que vão garantir a proteção jurídica da sua empresa e o seu crescimento!