É bem provável que você conheça o conceito de “vaquinha”, uma prática em que várias pessoas contribuem financeiramente em prol da realização de algo, como uma festa. Mas na era da internet, essa ideia ultrapassou as barreiras de informalidade, alcançou consumidores e empreendedores e está revolucionando a forma como os negócios surgem e as pessoas consomem sob o nome de crowdfunding.

O que é crowdfunding

Ideias inovadoras e que têm potencial para mudar o mundo surgem todos os dias, mas nem sempre há orçamento suficiente para financiá-las. E foi pensando nisso que o conceito de crowdfunding surgiu.

A palavra é o resultado da fusão entre “crowd”, termo inglês para “multidão”, e “funding”, que pode ser traduzido como “financiamento”, mas chegou ao Brasil com uma tradução mais refinada: financiamento coletivo.

O conceito por trás do crowdfunding é o mesmo das “vaquinhas”, e os colaboradores também doam uma quantia para a realização de um projeto, mas aqui a participação costuma acontecer por meio de plataformas digitais criadas especialmente para isso e que garantem a segurança de quem paga e de quem recebe.

Nesse momento é bem provável que você esteja se perguntando por que alguém iria querer contribuir no projeto de outra pessoa dessa forma, certo? Bem, existem muitas razões para isso.

Para começar, muitos projetos de financiamento coletivo são voltados para iniciativas que podem gerar retornos significativos para a sociedade, sejam de cunho social, cultural ou mesmo empresarial, por meio da geração de emprego e lançamento de produtos e serviços que fazem a diferença.

Outro ponto importante é que muitas campanhas de crowdfunding geram benefícios palpáveis para quem os financia.

Se um escritor quer publicar um livro, por exemplo, pode criar uma ação de financiamento coletivo na internet e recompensar os colaboradores de acordo com a doação. Assim, quem colabora com R$ 10 poderia ganhar um marca páginas, quem doa R$ 30 levaria uma edição comum do livro, os que doarem R$ 50 levariam um livro autografado e os que colaborassem com R$ 100 teriam uma edição com capa dura e ilustrada, por exemplo.

Dessa forma, tanto o autor da campanha consegue financiar a sua ideia quanto os colaboradores têm um retorno do financiamento que fizeram.

Vantagens e desvantagens do crowdfunding?

Como todas as estratégias, também existem prós e contras de utilizar o crowdfunding como forma de arrecadação de fundos para realizar um projeto.

Um dos maiores benefícios, certamente, é a diminuição de recursos próprios e a possibilidade de tornar uma ideia realidade em menos tempo. Além disso, a internet e as redes sociais permitem que uma campanha seja bastante divulgada e alcance centenas de milhares de pessoas que podem estar interessadas em contribuir.

Por outro lado, apostar apenas no crowdfunding como realização de projetos pode ser um pouco arriscado, já que é bastante difícil prever os resultados e garantir que a meta será atingida.

Outro ponto que deve ser considerado é que o financiamento coletivo costuma ser uma boa forma de “dar o pontapé inicial” em uma ação, mas ele não pode sustentar a ideia para sempre.

 

Como utilizar o crowdfunding na minha empresa

O primeiro passo para criar uma estratégia bem-sucedida de financiamento coletivo é desmistificar a ideia de que essa prática só pode ser utilizada em projetos informais e de que abrir espaço para a participação de colaboradores seria o mesmo que pedir um favor.

Muitas empresas já começaram a utilizar o crowdfunding como forma de financiar suas ideias, principalmente startups que têm propostas inovadoras e diferentes, mas contam com orçamento limitado para investir.

Se esse é o seu caso, é importante seguir alguns passos para aumentar suas chances de sucesso durante a captação dos recursos e na utilização deles.

  • Calcule bem o que precisa: toda campanha de crowdfunding começa com uma meta a ser atingida, e é importante que o empreendedor calcule muito bem qual o volume de investimento será necessário para conquistá-la. 
  • Defina cuidadosamente o projeto: depois de levantar a verba, quais serão os próximos passos? Em que pontos fará investimentos? E que resultados eles trarão? Tudo isso precisa estar muito bem planejado antes, mesmo, de a campanha ser lançada. 
  • Proteja suas ideias: ao fazer uma ação de financiamento coletivo, você estará expondo publicamente sua ideia e precisa diminuir o risco de alguém roubá-la. Busque formas de patenteá-la ou registrá-la de modo que permaneça sendo sua. 
  • Crie um bom argumento: só uma boa ideia não se sustenta sozinha, é preciso desenvolver muito bem os seus argumentos para convencer o público a financiar a sua ideia. 
  • Demonstre o retorno: decida de que forma vai mostrar para quem contribuiu com seu projeto que o seu dinheiro foi bem investido. Será com um exemplar do produto que você quer lançar? Com uma visita a sua empresa? Com um relatório de responsabilidade social? Não deixe de incluir esse tópico na campanha e os valores correspondentes a cada investimento.
  • Escolha uma boa plataforma: é essencial garantir a segurança nas transações entre você e o colaborador, e esse papel é da plataforma de crowdfunding. 
  • Invista em divulgação: depois da campanha lançada, é importante investir pesado em divulgação, afinal, quanto mais pessoas conhecerem sua proposta, maiores são as chances de atingir sua meta no tempo estipulado.