Conforme o mundo digital evolui, ele se torna, cada vez mais, uma projeção do mundo off-line. E, infelizmente, isso inclui o aparecimento de crimes virtuais, também conhecidos como cyber crimes.

Pesquisas indicam que os delitos cometidos na internet resultaram em um prejuízo de US$ 10,3 bilhões em 2016 e atingiram mais de 42,4 milhões de brasileiros, incluindo pessoas físicas e jurídicas.

A seguir, vamos conhecer alguns dos principais tipos de crimes praticados na internet e entender como se proteger deles.

Cyberbullying

Chamamos de bullying os atos de violência física, emocional ou psicológica praticados repetidamente contra um indivíduo ou grupo específico, cujo objetivo é humilhar, intimidar ou entristecer o outro.

Crianças e adolescentes são as maiores vítimas deste tipo de violência, que é comumente praticada em escolas, mas pode haver bullying entre adultos, em ambientes como trabalho e faculdade.

O cyberbullying é o tipo de agressão que acontece por meio da internet, principalmente em redes sociais e aplicativos de mensagens, como o WhatsApp. Normalmente, as vítimas de cyberbullying também são assediadas na vida off-line, o que faz com que elas sejam perseguidas a todo momento, estejam ou não próximas fisicamente de seus agressores.

A Constituição Federal assegura o direito do cidadão à dignidade, segurança e honra, e condena qualquer tipo de prática que ponha em risco esses direitos. Isso, portanto, coloca os praticantes do bullying e do cyberbullying à margem da lei.

Tendo as provas dos ataques sofridos na internet documentadas e testemunhas que possam ter presenciado a violência, a vítima pode, e deve, procurar o Poder Judiciário para agir contra os agressores.

Fraudes em e-commerce

Os avanços tecnológicos tornaram as compras na internet um dos principais e mais seguros mercados no Brasil e no mundo. Mas consumidores e lojistas ainda precisam tomar certos cuidados para garantir que estão seguros quando compram e vendem na web.

Ao acessar uma loja virtual que ainda não conhece, o consumidor deve ficar atento a alguns detalhes para garantir que estará comprando em um e-commerce confiável.

O primeiro desses detalhes é reparar se há um cadeado ou o termo “seguro” na barra de endereços. Esses elementos demonstram que a loja trabalha com criptografia de dados, o que dificulta a ação de pessoas mal-intencionadas, que podem interceptar a comunicação entre você e o site e roubar informações.

Também é importante conferir se há informações da empresa, como CNPJ, endereço e mais de uma forma de contato com a loja. Assim, você pode conferir se ela realmente existe e está atuando de forma legal.

Também é importante consultar sites de reclamações para verificar em que condições os consumidores reclamam, como a loja lida com as críticas e resolve os problemas.

Mas não são só os clientes que precisam prezar por sua segurança na internet, mesmo os lojistas devem estar atentos às fraudes que são cometidas no e-commerce.

Quando o consumidor detecta que uma compra não autorizada foi feita em seu nome, normalmente, o cancelamento é feito rapidamente pela provedora do cartão de crédito, mas o lojista pode demorar até 180 dias, cerca de 6 meses, para saber que o pedido foi cancelado, segundo dado da consultoria Konduto.

Nesse meio-tempo, o produto já deve ter sido expedido e o lojista pode acabar tendo um grande prejuízo.

Para lidar com isso, o ideal é que as empresas tenham rotinas de segurança e auditoria que possam verificar as informações de pagamento, cadastro e entrega do cliente e confirmar, mais de uma vez, a validade do pedido.

Quando se trata de um consumidor frequente, também é importante analisar o seu comportamento de compra, questionando-o se ele comprar produtos que normalmente não compraria, segundo seu histórico.

Stalker e ameaças

A internet e a dinâmica das redes sociais também tornaram mais fácil o trabalho dos stalkers, pessoas que perseguem outro indivíduo, tornando-se obcecadas por seu comportamento.

Conforme o alvo compartilha nas redes sociais quem são seus amigos mais próximos, quais lugares costuma frequentar e onde trabalha, o stalker consegue, cada vez mais, informações sobre o objeto de sua fixação.

Essa fixação doentia, normalmente, tem um cunho passional, e pode acabar prejudicando a vida do objetivo da perseguição, que tende a se sentir intimidado e importunado pelo stalker.

Há, também, muitos casos em que o stalk culmina em assédio psicológico e até em ameaças que colocam em risco a vida da vítima.

Como medida de prevenção, o ideal é que ferramentas como as redes sociais sejam configuradas para evitar que informações importantes sobre sua rotina e vida pessoal estejam à disposição de pessoas em que você não confia.

Se notar que está sendo perseguido digitalmente ou passar a receber ameaças pela internet, documente tudo e procure amparo jurídico imediatamente.

Injúria e preconceito

O Marco Civil foi um passo importante para que a internet deixasse de ser, de fato, uma “terra sem lei”. Hoje, de acordo com a legislação brasileira, o que é crime no mundo real o é também no ambiente digital.

Mas muitas pessoas ainda usam a internet para praticar comportamentos criminosos com perfis falsos, para dificultar sua identificação. Muitas vezes, o foco é agredir, diminuir, difamar ou humilhar pessoas ou grupos específicos, o que pode configurar crime de injúria e preconceito.

Esse tipo de violência também é passível de punição penal, e as vítimas podem recorrer ao Poder Judiciário, que deve tomar ações para descobrir quem são as pessoas por trás dos perfis falsos que deverão ser punidas.