Uso da inteligência artificial e os impactos nas eleições de 2024. Você, candidato, está preparado?

28 de março de 2024

Recentemente, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou doze novas regras, que em breve serão divulgadas, para regulamentar diversas questões no contexto eleitoral, incluindo o uso da Inteligência Artificial (IA) nas eleições de 2024. 

Aí temos a primeira pergunta: Caro candidato, você está preparado para usar a inteligência artificial como uma ferramenta eficiente para impulsionar a sua campanha, mas sem quebrar as regras do jogo?

Antes de responder à primeira questão, é importante contextualizar a iniciativa do TSE que levou à criação das regras básicas para o uso da IA.

Partindo da ideia que vivemos em uma era de constante evolução tecnológica, é crucial entendermos o papel da regulamentação nesse contexto e como a tecnologia pode impactar diretamente o processo eleitoral.

Então vamos lá! A inteligência artificial não é apenas uma tendência, mas sim um fenômeno global com raízes que remontam aos anos 50, quando os primeiros passos foram dados em direção à criação de máquinas capazes de pensar como seres humanos. Portanto, é uma tecnologia com mais de sete décadas de pesquisa e desenvolvimento.

Devemos compreender que, através da tecnologia e da facilidade no compartilhamento de informações, estamos vivenciando uma era de sobrecarga informacional, com um fluxo incessante de dados que muitas vezes nos sobrecarrega, dificultando a capacidade de processamento e compreensão. Esse fenômeno, conhecido como “infoxicação”, não só nos deixa perpetuamente desatualizados sobre determinados temas, mas também promove a disseminação de informações imprecisas e, por vezes, falsas, alimentando a desinformação.

Nesse contexto, durante as últimas eleições no Brasil, há estudos que apontam que até dois terços da população foram expostas a mensagens falsas, muitas das quais foram geradas por meio de inteligência artificial, dando origem aos chamados “deep fakes” e “fake news”. Diante disso, é compreensível a preocupação do TSE em regular o uso dessa tecnologia nas próximas eleições, visando garantir a integridade do processo eleitoral.

Agora candidato que você já entendeu qual a origem das novas ações do TSE, vamos falar um pouco sobre as novas regras do jogo:

  1. O uso de chatbot para simular uma conversa entre o cidadão e o candidato está proibida;
  2.  O uso de deepfake está proibido! A norma traz a seguinte redação quanto a proibição “de conteúdo fabricado ou manipulado para difundir fatos notoriamente inverídicos ou descontextualizados com potencial para causar danos ao equilíbrio do pleito ou à integridade do processo eleitoral”, ou seja, nada de usar a voz e imagem do candidato para criar conteúdo falso;
  3. Todo conteúdo gerado deverá conter um selo informando que o conteúdo foi gerado por inteligência artificial;

Além das regras citadas, o TSE também estabeleceu novas regras para plataformas de mídia social, responsabilizando-as por retirar imediatamente conteúdos e contas que promovam condutas antidemocráticas ou discurso de ódio durante o período eleitoral.

Essas medidas têm gerado discussões, especialmente em relação à liberdade de expressão na internet. No entanto, o objetivo do TSE é claro: tornar as eleições mais transparentes e combater a desinformação, permitindo que os cidadãos votem com liberdade, segurança e entendimento.

Como candidato, é essencial refletir sobre como utilizar essa tecnologia de forma ética e responsável, contribuindo para um processo eleitoral justo e democrático.

Pois é, será um período eleitoral intenso e conturbado, mas sem dúvida a ideia do TSE é tornar as eleições mais transparentes e combater a desinformação para que o cidadão não seja envolvido em teias de fake news e deep fakes.

 

E qual o nosso papel enquanto consultoria jurídica  nesse novo cenário?  Te ajudar a construir uma campanha no ambiente digital utilizando a tecnologia como sua aliada, de forma ética e responsável, afinal, a inteligência artificial veio para ficar, então nada melhor do que dominá-la e utilizá-la para levar suas propostas a outras fronteiras, certo?

 

Conte com a gente!

Compartilhe:

Mais Artigos

Desafios da Inadimplência: Estratégias e Alternativas à Judicialização

Descubra estratégias eficazes para lidar com a inadimplência de clientes sem recorrer imediatamente à judicialização. Este artigo explora alternativas viáveis, como o diálogo proativo, negociação amigável, formalização da cobrança e opções de resolução extrajudicial, visando preservar o relacionamento comercial e minimizar os impactos financeiros para sua empresa.

O que fazer se uma réplica do meu produto estiver sendo vendida em Marketplaces?

Marketplaces se tornaram essenciais no comércio online, mas também apresentam desafios, como a venda de produtos falsificados. Este artigo fornece orientações para lidar com réplicas ou falsificações de produtos em marketplaces, incluindo como identificar, denunciar e tomar medidas legais contra os infratores. Consultar um advogado e utilizar plataformas de proteção de marca são passos essenciais para proteger a reputação da marca e a integridade do mercado.

Uso da inteligência artificial e os impactos nas eleições de 2024. Você, candidato, está preparado?

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou novas regras para as eleições de 2024, incluindo regulamentações sobre o uso de Inteligência Artificial (IA). Candidatos devem estar preparados para usar a IA de maneira eficiente, seguindo as regras estabelecidas. A IA tem sido uma tendência global há décadas e sua regulamentação visa garantir a integridade do processo eleitoral, especialmente diante da disseminação de desinformação. O TSE proíbe o uso de chatbots para simular conversas com candidatos, deepfakes e exige que conteúdos gerados por IA sejam rotulados. As plataformas de mídia social também estão sujeitas a novas regras para promover transparência e combater a desinformação.

Quais as principais cláusulas em um Contrato de Licenciamento de Software?

Os contratos de licenciamento de software estabelecem as responsabilidades entre as partes envolvidas na utilização de um software, incluindo o direito de uso e serviços adicionais como suporte técnico e atualizações. Este artigo explora cláusulas essenciais desses contratos, como objeto, propriedade intelectual, suporte técnico, nível de disponibilidade, limitação de responsabilidade e isenção em casos de ataques hackers. Essas cláusulas são fundamentais para garantir uma negociação transparente, resolver disputas e proteger os interesses das partes envolvidas.

Vesting vs. Stock Option: Definições e Diferenças que você precisa conhecer

Descubra as definições e diferenças cruciais entre Vesting e Stock Option no contexto empresarial e de tecnologia. Este artigo explora os requisitos, aplicabilidade e implicações legais de cada método de incentivo de remuneração, ajudando você a decidir o melhor para sua empresa

Contratação de Software e Serviços em Nuvem para Órgãos Públicos: O que mudou e como se preparar

Uma nova portaria estabelece um modelo obrigatório de contratação de software e serviços em nuvem para órgãos do Poder Executivo Federal, visando garantir segurança da informação e proteção de dados. A partir de abril de 2024, os órgãos públicos deverão adotar esse modelo, que inclui critérios de avaliação, formas de remuneração e níveis de serviço. Fabricantes de tecnologia devem atender a requisitos como segurança de dados, flexibilidade de pagamento e indicadores de serviço.

Entre em contato

Nossa equipe de advogados altamente qualificados está pronta para ajudar. Seja para questões de Direito Digital, Empresarial ou Proteção de Dados estamos aqui para orientá-lo e proteger seus direitos. Entre em contato conosco agora mesmo!

Inscreva-se para nossa NewsLetter

Assine nossa Newsletter gratuitamente. Integre nossa lista de e-mails.