OS DIREITOS DOS TITULARES DE DADOS PREVISTOS NA LGPD

10 de junho de 2021

Sabe-se que a Lei Geral de Proteção de Dados, primeira lei criada para proteger e nivelar a proteção de dados pessoais no Brasil, tem como um de seus fundamentos a autodeterminação informativa, ou seja, o poder sobre o fluxo de dados que seu titular detém. Quanto mais controle, acesso e informação o titular de dados tiver sobre o uso de seus dados mais próximo ao seu direito de autodeterminação informativa ele estará. 

 

A lei 13.709/2018 trouxe, em seu artigo 5º, algumas definições, a fim de aclarar seus termos, tendo definido nos incisos I e II que dado pessoal é toda informação relacionada a pessoa natural identificada ou identificável, bem como dado pessoal sensível é todo dado pessoal sobre origem racial ou étnica, convicção religiosa, opinião política, filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso, filosófico ou político, dado referente à saúde ou à vida sexual, dado genético ou biométrico, quando vinculado a uma pessoa natural.

 

Também, como titular de dados, o inciso V define ser a pessoa natural a quem se referem os dados pessoais que são objeto de tratamento. Ressalta-se que a lei visa resguardar e destacar os direitos deste titular de dados, tendo como um dos principais objetivos o direito à autodeterminação informativa. 

 

Além desse, podemos destacar alguns outros direitos, que em verdade são desdobramentos do referido direito à autodeterminação informativa. Pode-se destacar como exemplo o direito à confirmação do tratamento de dados, previsto no artigo 18, I, LGPD, pelo qual qualquer titular de dados tem o direito de solicitar a confirmação do tratamento desses dados, ou seja, o titular poderá questionar a empresa se ela tem ou não algum tipo de informação e se trata ou não algum dado seu.

 

Também, há o direito de acesso facilitado, previsto no artigo 9º da LGPD, que determina o direito ao indivíduo, não apenas à confirmação de que seu dado está sendo utilizado ou não, mas também à explicação sobre a finalidade desta utilização, a forma como o dado é utilizado, a duração do tratamento e armazenamento, identificação do controlador, bem como as informações do contato desse controlador.

 

Seguindo, a lei, em seu artigo 18, III, prevê o direito à correção de dados incompletos, inexatos ou desatualizados, que permite ao titular dos dados solicitar a retificação desses.

 

Ressalta-se, também, o direito à anonimização – que é o processo técnico no qual desconecta-se o titular de dados de suas informações -, bloqueio ou eliminação de dados desnecessários, excessivos ou tratados em desconformidade com o disposto na lei, previsto no artigo 18, IV, da lGPD.

 

Ainda, há que se mencionar o direito à portabilidade de dados, o direito à eliminação dos dados pessoais tratados com o consentimento,direito à eliminação dos dados pessoais tratados com o consentimento, ambos os últimos previstos no artigo 18, VI, da LGPD, bem como o direito de receber informações sobre compartilhamento de seus dados com entidade públicas e privadas (artigo 18, VII, LGPD), direito a receber informações sobre a possibilidade de não fornecer consentimento e sobre as consequências negativas que essa negativa gerará (artigo 18, VIII, LGPD), além do direito de que os dados pessoais relativos ao exercício regular de direitos pelo titular não sejam utilizados em seu prejuízo, previsto no artigo 21, da LGPD.

 

Importante ressaltar que a defesa dos interesses do titular poderá ser exercida em juízo, individual ou coletivamente, conforme dispõe o artigo 22 da lei. Ainda que as sanções administrativas só sejam aplicadas a partir de agosto/2021, os titulares já podem buscar o cumprimento da lei pelo meio judicial. 

 

Para saber mais sobre este e outros temas relacionados ao Direito digital, a equipe do Assis e Mendes possui especialistas prontos para atender as necessidades de sua empresa. Entre em contato conosco pelo site www.assisemendes.com.br.

 

FERNANDA MIRANDA é advogada da equipe Contenciosa e Métodos Resolutivos de controvérsias do Assis e Mendes Sociedade de Advogados.

 

Compartilhe:

Mais Artigos

Fui vítima de um crime virtual: e agora?

É muito importante saber o que fazer para se proteger e buscar justiça.

Minha empresa precisa mesmo de um DPO?

A obrigatoriedade do profissional é patente. Veja os motivos.

GOOGLE E JUSBRASIL SÃO OBRIGADOS A REMOVER PÁGINAS QUE EXPÕEM DADOS DE VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

As empresas responderam afirmando não terem responsabilidade sobre o conteúdo publicado

O SITE DA MINHA EMPRESA COLETA DADOS; PRECISO ME ADEQUAR À LGPD?

Se o site coleta dados pessoais por cookies, análise de tráfego, formulários de contato ou outra ferramenta, sua empresa deve estar em conformidade com a LGPD.

Na era dos cibercrimes, a sua empresa está preparada para lidar com um incidente de segurança?

Entre as ações necessárias está o Plano de Respostas a Incidentes

Comunicado | Domicílio Judicial Eletrônico

Pedimos sua atenção para uma atualização cadastral necessária: Foi instituído o Domicílio Judicial Eletrônico, com a obrigatoriedade das empresas cadastrarem um e-mail válido para receberem citações e informações da Justiça …

Entre em contato

Nossa equipe de advogados altamente qualificados está pronta para ajudar. Seja para questões de Direito Digital, Empresarial ou Proteção de Dados estamos aqui para orientá-lo e proteger seus direitos. Entre em contato conosco agora mesmo!

Inscreva-se para nossa NewsLetter

Assine nossa Newsletter gratuitamente. Integre nossa lista de e-mails.