O Cenário Jurídico Brasileiro de 2023: Desafios e Oportunidades para Empresas de Tecnologia

21 de dezembro de 2023

O ano de 2023 no Brasil foi marcado por significativas mudanças no cenário jurídico, particularmente relevantes para as empresas de tecnologia. Neste artigo, exploraremos três eventos-chave que impactaram diretamente essas organizações: o retorno da contribuição assistencial, a possibilidade de assinatura de contrato sem testemunha e a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizando cláusulas limitativas de responsabilidade.

 

  1. O Retorno da Contribuição Assistencial.

Uma das mudanças mais notáveis em 2023 foi a reintrodução da contribuição assistencial. Mudando seu entendimento de 2017, o STF decidiu ser constitucional a cobrança da contribuição assistencial pelos sindicatos, independentemente se o funcionário é sindicalizado ou não. No entanto, para que o desconto no salário do empregado seja válido, os sindicatos devem garantir o direito à oposição. Embora alguns pontos importantes não tenham sido analisados pelo STF, é fato que a partir de 2024 a contribuição assistencial estará de volta! 

Caso tenha interesse em ler um artigo completo sobre o assunto, nosso advogado Gabriel Mantovam recentemente tratando do tema. Confira! , clique aqui

 

  1. Assinatura de Contratos Sem Testemunha

A possibilidade de assinar contratos sem a presença de testemunhas foi um tema que ganhou destaque em 2023. Esta mudança representa uma aparente flexibilização dos requisitos formais para tornar um contrato exequível, ou seja, cobrável diretamente, sem necessidade de ações de conhecimento ou monitória. 

De maneira geral, ficou estabelecido que todo e qualquer contrato assinado de forma eletrônica e sem a presença de testemunhas é um título executivo, podendo, em caso de inadimplemento, a parte prejudicada se valer diretamente de uma ação de execução, o que acelera consideravelmente os trâmites para recebimentos de valores. 

O entendimento é que os próprios provedores de assinatura eletrônica conferem a integridade para o negócio, estabelecendo que realmente existiu e foi firmado por aquelas pessoas signatárias, não sendo necessário a assinatura de testemunhas para confirmar o mesmo fato. 

Tal linha de raciocínio já havia sido estabelecida pelo STJ anos atrás e agora, em 2023, foi consolidado com a alteração do Código de Processo Civil, passando o art. 784, §4 a viger com a seguinte redação:

“Art. 784. (…)

 

  • 4º Nos títulos executivos constituídos ou atestados por meio eletrônico, é admitida qualquer modalidade de assinatura eletrônica prevista em lei, dispensada a assinatura de testemunhas quando sua integridade for conferida por provedor de assinatura.”

Para as empresas de tecnologia, que muitas vezes lidam com processos ágeis e decisões rápidas, essa alteração pode ser bem recebida, acelerando o processo de assinaturas nos contratos, já que elimina a necessidade de pelo menos mais 02 pessoas validarem o contrato. 

 

  1. STJ Garante a Legalidade das Cláusulas Limitativas de Responsabilidade.

A decisão do STJ autorizando cláusulas limitativas de responsabilidade teve implicações profundas para empresas de tecnologia. Essas cláusulas, que buscam definir os limites da responsabilidade contratual, tornam-se ferramentas importantes para mitigar riscos em transações comerciais. 

No entanto, a interpretação adequada e a redação cuidadosa dessas cláusulas tornaram-se ainda mais críticas, já que possuem requisitos específicos para serem válidas. 

Uma redação sem a observação destes requisitos pode ser fatal para a empresa, já que a cláusula poderá ser julgada nula pelo judiciário, obrigando a empresa a indenizar à outra parte de forma integral pelos danos que eventualmente causar.

Caso tenha interesse em ler um artigo completo sobre o assunto, nosso sócio Henry Magnus já trata do assunto desde o ano de 2017 e nesse artigo ele cita o que não pode faltar ao escrever uma cláusula limitativa de responsabilidade. Confira! 

 

Conclusão

Em resumo, 2023 foi um ano marcante para o cenário jurídico brasileiro, com implicações significativas para as empresas de tecnologia. A adaptabilidade, a conformidade e uma compreensão profunda das nuances legais tornaram-se imperativos. 

À medida que olhamos para o futuro, a colaboração estreita entre profissionais jurídicos e líderes empresariais será crucial para navegar pelas águas turbulentas do ambiente jurídico em constante mudança e garantir o sucesso contínuo das empresas de tecnologia no Brasil.

Compartilhe:

Mais Artigos

Fui vítima de um crime virtual: e agora?

É muito importante saber o que fazer para se proteger e buscar justiça.

Minha empresa precisa mesmo de um DPO?

A obrigatoriedade do profissional é patente. Veja os motivos.

GOOGLE E JUSBRASIL SÃO OBRIGADOS A REMOVER PÁGINAS QUE EXPÕEM DADOS DE VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

As empresas responderam afirmando não terem responsabilidade sobre o conteúdo publicado

O SITE DA MINHA EMPRESA COLETA DADOS; PRECISO ME ADEQUAR À LGPD?

Se o site coleta dados pessoais por cookies, análise de tráfego, formulários de contato ou outra ferramenta, sua empresa deve estar em conformidade com a LGPD.

Na era dos cibercrimes, a sua empresa está preparada para lidar com um incidente de segurança?

Entre as ações necessárias está o Plano de Respostas a Incidentes

Comunicado | Domicílio Judicial Eletrônico

Pedimos sua atenção para uma atualização cadastral necessária: Foi instituído o Domicílio Judicial Eletrônico, com a obrigatoriedade das empresas cadastrarem um e-mail válido para receberem citações e informações da Justiça …

Entre em contato

Nossa equipe de advogados altamente qualificados está pronta para ajudar. Seja para questões de Direito Digital, Empresarial ou Proteção de Dados estamos aqui para orientá-lo e proteger seus direitos. Entre em contato conosco agora mesmo!

Inscreva-se para nossa NewsLetter

Assine nossa Newsletter gratuitamente. Integre nossa lista de e-mails.